Fórum Sexualidade
Olá, Convidado, seja bem-vindo ao Fórum Sexualidade.

Aqui você terá espaço para falar sobre diversos temas da sexualidade humana sem tabus, podendo compartilhar e aprender com todos os outros membros.

Além disso, você encontrará diversas discussões e informações sobre os mais variados temas da atualidade.

Somente membros podem visualizar alguns assuntos, portanto, não perca tempo e cadastre-se, participe das discussões.

Este fórum é melhor visualizado no navegador Mozilla Firefox 3.6 com a resolução de tela 1024 x 600 ou superior.

Divulgue-nos também.
Atenciosamente,

Equipe do Fórum Sexualidade.

Conectar-se

Esqueci minha senha

Painel do Usuário
Convidado


PAINEL DE USUÁRIO




MENSAGENS PRIVADAS
Últimos assuntos
» Site que envolve arte e sexo
Qui 30 Jul 2015, 08:42 por strubloid

» Arte mais sexo
Qui 30 Jul 2015, 08:40 por strubloid

» Sou doente ou ele já não me quer?
Ter 14 Jul 2015, 09:22 por rqhb

» Mulheres mais velhas gostam mais de sexo do que as mais novas, diz estudo
Sex 24 Abr 2015, 20:08 por Elisa Margotte

» Seguro de mais a ejaculação e acabo não gozando!
Dom 22 Fev 2015, 03:45 por Magusto

» Pílula
Qui 05 Fev 2015, 19:21 por Sofia Matias

» Mostrar o corpo na webcam para ganhar um Dinheiro Extra
Qua 28 Jan 2015, 12:20 por PixudoTesudo

» Preocupação dupla...
Qui 27 Nov 2014, 15:57 por Victor13

» Daniel Denardi, ao seu dispor
Qui 02 Out 2014, 20:56 por dandenardi

Votação

O que pensa sobre aborto:

27% 27% [ 12 ]
11% 11% [ 5 ]
11% 11% [ 5 ]
50% 50% [ 22 ]

Total dos votos : 44

Novidades do Blog
Veja também
Formspring.me

OrkutTwitter

Cantinho da Éris
Visitas

PageRank
Donde vêm

Abuso sexual e pedofilia são tabus na sala de aula

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Abuso sexual e pedofilia são tabus na sala de aula

Mensagem por Ricardo em Sab 18 Set 2010, 12:15

Pedofilia e abuso sexual de crianças e adolescentes ainda são temas proibidos nos colégios da capital. De 20 escolas frequentadas pela classe média e média alta, consideradas referências e excelências em ensino na cidade consultadas esta semana pelo Jornal da Tarde, apenas duas se dispuseram a falar abertamente sobre como tratam esses assuntos com seus alunos dentro e fora das salas de aula. Na rede pública o cenário não é diferente.



“Realmente, ninguém quer falar sobre isso. O uso indevido da internet até é abordado, mas o abuso sexual ainda é um assunto tabu”, admite o vice-presidente do Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino no Estado de São Paulo (Sieeesp), José Augusto de Mattos Lourenço. Especialistas no combate a esses crimes sustentam, entretanto, que as escolas têm papel imprescindível, tanto na prevenção quanto no enfrentamento dessas questões.



Para o psicólogo Angelo Motti, um dos idealizadores do programa Escola que Protege, apoiado pela Unesco e desenvolvido pelo Ministério da Educação e Cultura (MEC), é no ambiente escolar onde mais facilmente pode ocorrer a identificação desses abusos.



“A escola é o grande caminho. Infelizmente os estabelecimentos de ensino não estão preparados para identificar, prevenir ou combatê-los”, afirma. Na semana passada, diretor de uma escola particular de Marília foi indiciado por crime de pedofilia.



As alegações dos colégios para não responder à reportagem foram diversas. Muitos informaram, por meio de assessoria de imprensa, não ter interesse em falar sobre o tema ou que não tem projetos específicos para tratar desses assuntos com seus alunos.



Em pelo menos três casos, foi solicitado ao jornal que enviasse e-mail com as questões e, informado que, posteriormente, caso houvesse interesse, os colégios responderiam. Não responderam. Outros estabelecimentos disseram ainda que a temática é complexa e de difícil compreensão pelas crianças.



Ou que orientam seus alunos em aulas sobre sexualidade. Mas nessas ocasiões não falam explicitamente sobre os cuidados que os estudantes poderiam vir a ter para se proteger de um abuso e nem os informam sobre os perigos que os rondam. Um único colégio revelou explicitamente ter “medo” de ser “mal interpretado” caso falasse sobre pedofilia e abuso sexual.



Na rede pública, o cenário não é muito diferente. Os temas não são tratados do ponto de vista pedagógico, mas como caso policial. Tanto a Secretaria Municipal de Educação quanto a Estadual informaram fazer parte de comissões de enfrentamento à violência sexual e exploração comercial de crianças e de adolescentes e afirmam capacitar seus professores a observar indícios que possam sugerir que os estudantes estejam sendo vítimas desse tipo de violência. O passo seguinte seria a comunicação do caso à polícia. Mas não informam quantos desses comunicados foram realizados até agora.



As escolas mantêm ainda mesas redondas para discutir o seu papel na rede de proteção à infância. Além de da violência sexual, a doméstica também é abordada, como o debate que vai ocorrer no dia 7 de abril, no Centro de Educação Unificado (CEU) de Paraisópolis, na zona sul, com técnicos da Secretaria Municipal de Educação. As duas pastas afirmaram ainda que a orientação direta aos alunos se dá por meio de convênio que ambas têm com a Secretaria Estadual da Segurança, executora do Programa Educacional de Resistência às Drogas e Violência (Proerd).



Segundo a assessoria da Secretaria Estadual da Educação, policiais que ministram essas palestras nas escolas também abordariam a questão da pedofilia e do abuso sexual contra crianças e adolescentes. A pas ta da Segurança, entretanto, negou que esses dois assuntos, em específico, sejam abordados nessas ocasiões.



Para a professora da Faculdade de Educação da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC), Neide Noffs, o abuso sexual e a pedofilia não são tratados em classe porque, além de serem temas desconhecidos, são polêmicos. “Professores têm dificuldades emocionais, inclusive, de colocar esses temas em aula.”




Com o intuito de orientar os alunos a se protegerem da violência sexual, o vereador Toninho do Gloria apresentou projeto de lei que visa incluir na grade curricular aulas para a prevenção e orientação aos alunos das escolas municipais a cerca da pedofilia, "pois prevenção é a melhor forma de combater a pedofilia " , defende o vereador. O nome da aula será Não à pedofilia - Protegendo a criança através da educação.



De acordo com o vereador Toninho do Gloria, o projeto tem por objetivo alertar os alunos para esse tipo de violência tão comum e praticado muitas vezes por familiares. “É importante ter informações sobre o assunto para poder prestar ajuda à criança vítima desse tipo de violência”, diz.



O presidente da ONG MT contra a pedofilia, Toninho do Gloria, destacou que a ONG a qual ele presidente realiza um trabalho forte de combate à violência contra a criança e o adolescente, capacitando profissionais para atuarem com esse público. “É um crime que acontece comumente ao nosso lado e por isso, é uma luta de todos os pais, professores e comunidade. Só teremos êxito se todos se unirem para combater a pedofilia”, comentou.



Toninho destacou mais uma vez que situações de violência e de pedofilia devem ser denunciadas por qualquer pessoa que tenha conhecimento, para que a criança vítima de abuso seja encaminhada para atendimento médico e psicológico. A denúncia pode ser feita para o Conselho Tutelar, ou ainda, o informante pode discar o número 100 ou 197.



Primeiro semestre: Casos de pedofilia em Várzea Grande aumentam 17%



Conforme um levantamento do setor de estatística da PJC, somente em Várzea Grande foram registrados 41 casos de abusos sexuais a crianças e adolescentes na idade de 0 a 17 anos no primeiro semestre deste ano.



Comparado ao mesmo período do ano passado, foram denunciados 35 casos na segunda maior cidade do Estado – um aumento de pouco mais de 17%. Já em Cuiabá, no primeiro semestre deste ano, as estatísticas indicam queda – foram denunciados 230 casos de pedofilia, contra os 261 que chegaram ao conhecimento da polícia no mesmo período de 2009. Mas os números não correspondem à realidade.
Fonte
avatar
Ricardo
Aprendiz
Aprendiz

Masculino Capricórnio Cobra
Primaveras Primaveras : 27
Mensagens Mensagens : 60

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum