Fórum Sexualidade
Olá, Convidado, seja bem-vindo ao Fórum Sexualidade.

Aqui você terá espaço para falar sobre diversos temas da sexualidade humana sem tabus, podendo compartilhar e aprender com todos os outros membros.

Além disso, você encontrará diversas discussões e informações sobre os mais variados temas da atualidade.

Somente membros podem visualizar alguns assuntos, portanto, não perca tempo e cadastre-se, participe das discussões.

Este fórum é melhor visualizado no navegador Mozilla Firefox 3.6 com a resolução de tela 1024 x 600 ou superior.

Divulgue-nos também.
Atenciosamente,

Equipe do Fórum Sexualidade.

Conectar-se

Esqueci minha senha

Painel do Usuário
Convidado


PAINEL DE USUÁRIO




MENSAGENS PRIVADAS
Últimos assuntos
» Site que envolve arte e sexo
Qui 30 Jul 2015, 08:42 por strubloid

» Arte mais sexo
Qui 30 Jul 2015, 08:40 por strubloid

» Sou doente ou ele já não me quer?
Ter 14 Jul 2015, 09:22 por rqhb

» Mulheres mais velhas gostam mais de sexo do que as mais novas, diz estudo
Sex 24 Abr 2015, 20:08 por Elisa Margotte

» Seguro de mais a ejaculação e acabo não gozando!
Dom 22 Fev 2015, 03:45 por Magusto

» Pílula
Qui 05 Fev 2015, 19:21 por Sofia Matias

» Mostrar o corpo na webcam para ganhar um Dinheiro Extra
Qua 28 Jan 2015, 12:20 por PixudoTesudo

» Preocupação dupla...
Qui 27 Nov 2014, 15:57 por Victor13

» Daniel Denardi, ao seu dispor
Qui 02 Out 2014, 20:56 por dandenardi

Votação

O que pensa sobre aborto:

27% 27% [ 12 ]
11% 11% [ 5 ]
11% 11% [ 5 ]
50% 50% [ 22 ]

Total dos votos : 44

Novidades do Blog
Veja também
Formspring.me

OrkutTwitter

Cantinho da Éris
Visitas

PageRank
Donde vêm

Qual o impacto da web no cérebro? O debate está na rede

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Qual o impacto da web no cérebro? O debate está na rede

Mensagem por Daniela em Seg 26 Abr 2010, 10:23

Se você está lendo estas linhas, saiba que seu cérebro provavelmente difere de quem não foi alfabetizado. Estudos de neurociência já demonstraram que aprender a ler, especialmente na infância, altera a anatomia do cérebro e engrossa uma estrutura chamada corpo caloso, responsável pela conexão entre os dois hemisférios cerebrais. Se aprender a ler pode ter um impacto tão profundo, vários cientistas e pensadores estão se perguntando qual será o efeito da internet na nossa mente e na maneira como pensamos.

Recentemente, uma série de estudos, livros e debates têm tentado deslindar essa questão. A indicação inicial é de que, sim, a rede está alterando a forma como pensamos e, possivelmente, até a estrutura de nossos cérebros. Por ser um fenômeno novo – ainda não temos uma geração que tenha sido completamente formada na era da internet –, existem poucos trabalhos que confirmem o impacto no nível das sinapses. Um dos mais famosos nessa área foi realizado pelo neurocientista Gary Small, da Universidade da Califórnia. Small comparou a mente de adultos com pouca experiência em tecnologia com a de assíduos usuários da internet. Todos realizaram testes na própria rede. A análise mostrou maior atividade na área de tomada de decisões e raciocínio complexo no cérebro das pessoas acostumadas à tecnologia. Apontou também que os inexperientes, após algum tempo, começavam a se igualar aos conectados.

Descobertas como essa vêm motivando outros cientistas e pensadores a discutirem o assunto amplamente. Deve chegar neste ano ao Brasil, por exemplo, o livro do editor americano Nicholas Carr The Shallows (algo como “O raso”), que expõe um ponto de vista mais negativo sobre o efeito da web. A tese central de Carr é que a natureza caótica e descentralizada da internet está diminuindo a nossa capacidade de concentração e contemplação profundas. Para ele, a rede está nos tornando mais idiotas.

Estudos mostram que os cérebros de usuários da web têm maior atividade na área de raciocínio complexo.
Uma das iniciativas mais interessantes em relação a essa discussão vem da Fundação Edge. No começo deste ano, a instituição lançou a pergunta sobre o impacto da web para colaboradores como Kevin Kelly, Richard Dawkins e Nassim Taleb. As dezenas de textos produzidos estão reunidos no site da fundação. Um dos destaques é o pensador Kevin Kelly, que se vale de exemplos neurológicos já conhecidos para inferir que o impacto da internet é real e lança, a partir de sua experiência pessoal, várias ideias sobre como a rede está alterando o processo de pensamento. Ele argumenta, por exemplo, que apesar de a rede ter nos tornado mais capazes de acessar conhecimento também ampliou a incerteza em relação à informação. “Tudo o que eu aprendo está sujeito à imediata erosão”, afirma. Isso provoca o que o autor chama de “liquidez mental”: o pensamento se tornou mais fluido. Agora a mudança de opinião é mais constante e os extremos de interesse e desinteresse em relação a vários assuntos se ampliaram.

Kelly não está certo sobre as consequências desse processo, mas acredita que uma delas é tornar mais tênue a fronteira entre trabalho e lazer. “Não consigo mais distinguir quando estou trabalhando online de quando estou me divertindo”, admite. A “perda de tempo com bobagens” seria, para ele, um fertilizante à criatividade (exemplo: enquanto escrevia o ensaio da Edge, Kelly assistiu no YouTube a um sujeito na Finlândia, vestido de Papai Noel, queimando uma árvore natalina, e outro na Índia comendo sujeira). Muitos podem criticar o fenômeno. Para Kelly, porém, a confluência do “sério” e do “lúdico” é um dos grandes feitos da web.

Ele também contesta teses como a defendida por Carr de que a internet está reduzindo nossa concentração (“é uma ideia superestimada”) e acha que diminuir a contemplação está longe de ser um problema. “Para alguns, a perda de contemplação é um dos maiores problemas da internet. (…) Eu me pergunto: comparado a o quê? Assistir à televisão ou ler jornais que impõem sua opinião, ou simplesmente ficar sentado em casa meditando em círculos sobre coisas na minha cabeça sem nenhuma informação nova?” Kelly acha que a internet leva à ação, o que seria em geral preferível à contemplação.

Em meio a essa conversa, o especialista em comunicação espanhol Daniel H. Cabrera sugere olhar a questão pelo ângulo oposto. Para ele, a massa informe de conteúdo da web é um reflexo da memória, da imaginação, do pensamento humanos. Menos do que moldar o nosso cérebro, a internet seria moldada por ele. Cabrera diz que nossa mente busca a formação de analogias o tempo todo. A prosa escrita evoca um sabor, um som nos faz lembrar de uma imagem, e assim por diante. Essas conexões seriam os nossos hiperlinks cerebrais, e a internet seria uma das formas de comunicação que mais se assemelham a nós próprios. Criador e criatura se influenciam de forma parecida. O debate continua… na rede.

Fonte: [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

E aí, acham que estão viciados em internet? Conseguem ficar longe de Twitter, blog, fórum, sites etc?


[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Fique por dentro das novidades do fórum em [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.].
Já pensou em ter seu próprio espaço aqui? Então crie teu [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]!
avatar
Daniela
Idealizadora
Idealizadora

Feminino Sagitário Galo
Primaveras Primaveras : 35
Mensagens Mensagens : 1099

http://cantinhodaeris.wordpress.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum