Fórum Sexualidade
Olá, Convidado, seja bem-vindo ao Fórum Sexualidade.

Aqui você terá espaço para falar sobre diversos temas da sexualidade humana sem tabus, podendo compartilhar e aprender com todos os outros membros.

Além disso, você encontrará diversas discussões e informações sobre os mais variados temas da atualidade.

Somente membros podem visualizar alguns assuntos, portanto, não perca tempo e cadastre-se, participe das discussões.

Este fórum é melhor visualizado no navegador Mozilla Firefox 3.6 com a resolução de tela 1024 x 600 ou superior.

Divulgue-nos também.
Atenciosamente,

Equipe do Fórum Sexualidade.

Conectar-se

Esqueci minha senha

Painel do Usuário
Convidado


PAINEL DE USUÁRIO




MENSAGENS PRIVADAS
Últimos assuntos
» Site que envolve arte e sexo
Qui 30 Jul 2015, 08:42 por strubloid

» Arte mais sexo
Qui 30 Jul 2015, 08:40 por strubloid

» Sou doente ou ele já não me quer?
Ter 14 Jul 2015, 09:22 por rqhb

» Mulheres mais velhas gostam mais de sexo do que as mais novas, diz estudo
Sex 24 Abr 2015, 20:08 por Elisa Margotte

» Seguro de mais a ejaculação e acabo não gozando!
Dom 22 Fev 2015, 03:45 por Magusto

» Pílula
Qui 05 Fev 2015, 19:21 por Sofia Matias

» Mostrar o corpo na webcam para ganhar um Dinheiro Extra
Qua 28 Jan 2015, 12:20 por PixudoTesudo

» Preocupação dupla...
Qui 27 Nov 2014, 15:57 por Victor13

» Daniel Denardi, ao seu dispor
Qui 02 Out 2014, 20:56 por dandenardi

Votação

O que pensa sobre aborto:

27% 27% [ 12 ]
11% 11% [ 5 ]
11% 11% [ 5 ]
50% 50% [ 22 ]

Total dos votos : 44

Novidades do Blog
Veja também
Formspring.me

OrkutTwitter

Cantinho da Éris
Visitas

PageRank
Donde vêm

Jovens infectados pelo HIV revelam dificuldades com a sexualidade

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Jovens infectados pelo HIV revelam dificuldades com a sexualidade

Mensagem por Daniela em Qua 10 Mar 2010, 11:35

No início da epidemia de Aids no Brasil, em meados da década de 1980, crianças que nasciam soropositivas para o HIV tinham uma expectativa de vida que não ultrapassava a infância. Apenas após o estabelecimento no país do acesso universal e gratuito aos medicamentos antirretrovirais, nos anos 1990, essas crianças passaram a ter maior chance de sobrevivência e começaram efetivamente a alcançar a adolescência e juventude, demandando, portanto, cuidados específicos. Ciente da necessidade de ações que preparem esses jovens para a maturidade, o pesquisador Luiz Montenegro, em dissertação de mestrado defendida na Escola Nacional de Saúde Pública (Ensp/Fiocruz), analisou aspectos da adesão à terapia antirretroviral de alta potência (Haart, na sigla em inglês), também chamada coquetel anti-Aids, e do comportamento sexual de adolescentes que nasceram infectados pelo HIV devido à transmissão vertical (de mãe para filho durante a gestação, o parto ou a amamentação).

Para o estudo, foram realizadas entrevistas com 18 adolescentes soropositivos, entre 15 e 20 anos, e duas infectologistas responsáveis pelo atendimento a esses pacientes. Segundo o pesquisador, no Brasil, entre os menores de 13 anos portadores do HIV, 84,5% se infectaram pela via vertical de transmissão. Calcula-se em 11,6 mil o número de casos acumulados nessa faixa etária no período de 1995 a 2008.

“Os profissionais de saúde que trabalham com esses jovens devem estar preparados para lidar com assuntos relacionados não só ao tratamento médico, mas também às angústias, aspirações e incertezas características dessa fase da vida”, diz Montenegro, que foi orientado por Mônica Malta, da Ensp.

Adolescentes vivendo com Aids se deparam com limitações que podem impedi-los de experimentar esse período da vida como seus colegas, visto que ter HIV significa também estar sob cuidados permanentes, típicos de uma doença crônica. Os cuidados envolvem várias doses de medicamentos diariamente, consultas médicas e exames rotineiros e até a possibilidade de hospitalização. Um grande desafio, portanto, é estimular esses adolescentes a aderirem ao tratamento antirretroviral e não o abandonarem ao longo do tempo.

“A aderência à Haart é um aspecto fundamental para alcançar boa resposta terapêutica e contribui de forma decisiva para a melhora da qualidade de vida de pessoas vivendo com HIV ou Aids”, afirma o pesquisador. As entrevistas feitas por Montenegro revelaram os principais aspectos que diminuem a adesão ao tratamento: o grande número de comprimidos e doses administrados diariamente; a interferência no estilo de vida e nos hábitos alimentares, devido à necessidade de tomar medicamentos em jejum ou nas refeições; os efeitos colaterais, como enjôos e náuseas; e uma comunicação deficiente entre médico e paciente.

"Os pacientes relataram dificuldades para administrar a grande quantidade de comprimidos nos horários prescritos sem serem vistos por parentes e amigos”, acrescenta Montenegro. “Essa interferência do regime terapêutico nas atividades cotidianas dos pacientes tende a gerar em alguns adolescentes uma sensação de aprisionamento e limitação”. Parte dos jovens fazia enorme esforço para manter sua condição de soropositivo em anonimato. Para isso, muitas vezes, decidiam por conta própria adiantar ou atrasar os horários dos medicamentos: assim, pessoas do seu convívio social não ficavam sabendo que eles eram portadores do HIV.

“O medo de ser estigmatizado e identificado como uma pessoa com HIV é bastante forte nos relatos dos participantes”, conta o pesquisador. “Eles demonstraram sentimentos de medo, rejeição e vergonha de viver com HIV. Esse componente psicológico, muitas vezes, leva à negação da infecção e ao consequente abandono do tratamento”. Por medo de sofrerem preconceito, quase todos os adolescentes entrevistados optaram por não revelar seu diagnóstico para colegas de escola, diretores e professores. “A busca por aceitação social parece exigir desses jovens um esforço adicional para omitirem seu diagnóstico e serem vistos como exatamente iguais aos outros”, destaca Montenegro. Em geral, eles só contam que são portadores do HIV aos parentes mais próximos.

Em sua dissertação de mestrado, Montenegro também avaliou como os adolescentes descobriram ser portadores do HIV e qual foi o impacto dessa descoberta. “Eles tiveram uma infância marcada por uso diário de medicamentos, realização rotineira de exames, consultas ambulatoriais frequentes e episódios de internação hospitalar”, descreve o pesquisador. “A consequência imediata dessas experiências foi a sensação de ser diferente das outras crianças, além das constantes dúvidas sobre seu estado de saúde. A maioria dos participantes teve certeza de seu diagnóstico até os dez anos de idade”.

Alguns descobriram sozinhos; outros souberam de maneira gradual por responsáveis ou familiares. Somente um dos 18 adolescentes entrevistados tomou conhecimento de sua condição por meio do profissional de saúde. “Para os adolescentes consultados, a confirmação do diagnóstico soou como uma nova identidade, momento no qual afloraram sentimentos múltiplos, em particular raiva, ansiedade e revolta”, afirma Montenegro.

O tabu da sexualidade

A iniciação da vida sexual é outro momento difícil para os adolescentes com HIV. Eles relataram incerteza quanto ao momento certo de contar sobre sua infecção ao parceiro; medo de rejeição; receio de contaminar o outro; e dificuldades ligadas à negociação do uso de preservativo. “O direito do adolescente de manter seu diagnóstico em segredo entra em conflito com suas preocupações em relação aos parceiros sexuais”, comenta Montenegro.

Dos 18 adolescentes entrevistados, 8 se autodeclararam sexualmente ativos. Desses, a maioria afirmou usar frequentemente o preservativo, mas sem informar o parceiro sobre sua condição de portador do HIV. Segundo Montenegro, existe uma clara lacuna de conhecimento acerca de sexo seguro e sexualidade de forma mais ampla. O pesquisador também verificou que, embora fizessem tratamento há vários anos, muitos participantes tinham pouco conhecimento sobre o HIV e a Aids, o que sugere uma falha de comunicação entre os profissionais de saúde e os pacientes. “Foi perguntado aos adolescentes se eles desejavam saber mais sobre o vírus e a doença, mas quase a totalidade respondeu não ter interesse”, lamenta Montenegro.

“Além disso, esses jovens apresentavam planos para o futuro bastante limitados”.

Nas entrevistas com as infectologistas, o pesquisador constatou que as médicas estavam atentas a elementos da personalidade dos adolescentes que pudessem influenciar na aderência ao tratamento. No entanto, em relação a questões de sexo e doenças sexualmente transmissíveis, muitas vezes, o diálogo ficava prejudicado pela vergonha dos adolescentes em conversar sobre o assunto e pelo medo das médicas de estimular um início precoce da vida sexual.

“As dificuldades dos profissionais de saúde para chamarem os adolescentes soropositivos para uma conversa franca acerca da sexualidade e da saúde reprodutiva são motivo de preocupação”, diz o pesquisador. “Serviços de saúde mais preparados podem facilitar a promoção de autonomia no âmbito da sexualidade e, consequentemente, permitir que esses jovens façam escolhas informadas e tenham seus direitos reprodutivos assegurados”.


Fonte: Agência de Notícias Fiocruz




Deve ser muito ruim ter que lidar com isso numa fase em que estamos mudando e nos descobrindo...


[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Fique por dentro das novidades do fórum em [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.].
Já pensou em ter seu próprio espaço aqui? Então crie teu [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]!
avatar
Daniela
Idealizadora
Idealizadora

Feminino Sagitário Galo
Primaveras Primaveras : 35
Mensagens Mensagens : 1099

http://cantinhodaeris.wordpress.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Jovens infectados pelo HIV revelam dificuldades com a sexualidade

Mensagem por Carlos em Qua 10 Mar 2010, 14:28

A sexualidade é uma coisa já bem delicada, né, danidan, rola muito preconceito, necessidade de aceitação, mudanças, e os jovens soro-positivo ainda tem que vencer mais essa guerra para ter uma vidinha um pouco normal. É uma situação ruim mesmo.

Tomara que consigam mesmo evitar que crianças nasçam contaminadas pelo vírus, deve ser um alívio grande para quem tá contaminado e quer ter filhos ou está g´ravida e só descobre que tá doente na gravidez.
avatar
Carlos
Diplomata
Diplomata

Masculino Aquário Cabra
Primaveras Primaveras : 37
Mensagens Mensagens : 252

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum