Fórum Sexualidade
Olá, Convidado, seja bem-vindo ao Fórum Sexualidade.

Aqui você terá espaço para falar sobre diversos temas da sexualidade humana sem tabus, podendo compartilhar e aprender com todos os outros membros.

Além disso, você encontrará diversas discussões e informações sobre os mais variados temas da atualidade.

Somente membros podem visualizar alguns assuntos, portanto, não perca tempo e cadastre-se, participe das discussões.

Este fórum é melhor visualizado no navegador Mozilla Firefox 3.6 com a resolução de tela 1024 x 600 ou superior.

Divulgue-nos também.
Atenciosamente,

Equipe do Fórum Sexualidade.

Conectar-se

Esqueci minha senha

Painel do Usuário
Convidado


PAINEL DE USUÁRIO




MENSAGENS PRIVADAS
Últimos assuntos
» Site que envolve arte e sexo
Qui 30 Jul 2015, 08:42 por strubloid

» Arte mais sexo
Qui 30 Jul 2015, 08:40 por strubloid

» Sou doente ou ele já não me quer?
Ter 14 Jul 2015, 09:22 por rqhb

» Mulheres mais velhas gostam mais de sexo do que as mais novas, diz estudo
Sex 24 Abr 2015, 20:08 por Elisa Margotte

» Seguro de mais a ejaculação e acabo não gozando!
Dom 22 Fev 2015, 03:45 por Magusto

» Pílula
Qui 05 Fev 2015, 19:21 por Sofia Matias

» Mostrar o corpo na webcam para ganhar um Dinheiro Extra
Qua 28 Jan 2015, 12:20 por PixudoTesudo

» Preocupação dupla...
Qui 27 Nov 2014, 15:57 por Victor13

» Daniel Denardi, ao seu dispor
Qui 02 Out 2014, 20:56 por dandenardi

Votação

O que pensa sobre aborto:

27% 27% [ 12 ]
11% 11% [ 5 ]
11% 11% [ 5 ]
50% 50% [ 22 ]

Total dos votos : 44

Novidades do Blog
Veja também
Formspring.me

OrkutTwitter

Cantinho da Éris
Visitas

PageRank
Donde vêm

“Ser assumido no meio sindical pode ser complicado”, diz ativista gay da CUT

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

“Ser assumido no meio sindical pode ser complicado”, diz ativista gay da CUT

Mensagem por Daniela em Qua 07 Jul 2010, 09:58

Maikon Azzi é diretor da Federação dos Bancários da CUT (Central Única dos Trabalhadores), integrante do coletivo LGBT da central sindica e esteve no último sábado (03/07) em São Carlos para participar da mesa que discutiu políticas públicas LGBT, que fez parte da programação do IV Encontro Paulista LGBT.

Após a mesa, Maikon concedeu uma entrevista exclusiva para o site A Capa. Na conversa, ele relatou um pouco da história do núcleo LGBT da CUT, onde atua desde 2005. Para Azzi, a luta LGBT é importante no meio sindical, pois se trata de um meio “machista”. O ativista, que fez muito sucesso entre os participantes do encontro gay paulista, disse que é necessário fazer os sindicalistas entenderem as questões LGBTs e as “orientações sexuais”.

Azzi também revelou que, quando foi candidato ao cargo de diretor do Sindicato dos Bancários, não sofreu preconceito, “muito pelo contrário”, diz ele. Além da CUT, falou-se também a respeito de outras sindicais que estão atuando na questão LGBT.

Desde quando existe esse trabalho LGBT na Central Única dos Trabalhadores (CUT)?
Na verdade, eu milito na questão LGBT desde quando entrei no banco em 2005 e foi quando conheci o sindicato e tive acesso ao coletivo. Depois de alguns anos, acabei sendo eleito para a diretoria do sindicato e lá nós temos todo um trabalho de base com a militância sindical, que não é apenas a de LGBT: tem a dos negros, das mulheres, juventude etc. Aí, por identificação, acabei entrando no LGBT.

Qual é a situação do sindicalista gay hoje?
Os sindicalistas são machistas. Trazer esse assunto e se assumir pode ser um pouco complicado, pois você pode virar alvo de piada. Mas a questão do sindicato é justamente essa, nós somos totalmente a favor da sociedade e dos direitos humanos. É inadmissível esse tipo de manifestação: homofobia contra gays, racismo contra negros… Eu particularmente não tenho problema quanto a isso (homofobia no sindicato) e, nos coletivos que fazem parte da CUT, também nunca tivemos algum tipo de problema relacionado à homofobia.

Você já foi alvo de piadas homofóbicas?
Não.

Quando você foi candidato à diretoria do Sindicato dos Bancários, não houve questionamentos, piadas por conta de você ser gay?
Não tive problema nenhum, pelo contrário, o pessoal tem uma abertura muito legal dentro do sindicato. Até porque a eleição é um resultado da minha militância gay.

Hoje, além da CUT, a Intersindical (PSOL) e a Conlutas (PSTU) também promovem trabalhos ligados à questão gay. Como você avalia a questão gay dentro do movimento sindical?
Isso é importantíssimo. A Conlutas e a Intersindical são outras centrais de trabalhadores, e o legal é que nós temos a mesma visão. Nós somos entidades apartadas, mas temos a mesma visão de direitos e com certeza eles (Conlutas e Intersindical) também não lutam apenas por LGBTs, estão em briga contra o racismo, direito das mulheres, então isso é positivo.

Desde que você começou esse trabalho no meio sindical, acredita que a homofobia diminuiu?
O machismo é uma questão de cultura, então não é uma coisa que funciona assim: depois que a central começou a debater, isso vá diminuir. Isso não envolve apenas a luta sindical, isso é uma questão de casa, escola, diálogo e o nosso trabalho é justamente esse: fazer com que esse público machista entenda o que é o nosso seguimento [LGBT], a nossa orientação.

Acredita que existe muito sindicalista enrustido?
Acredito que não. Até porque o sindicalista é um sujeito que mete a cara e vai à luta.
Instituto de diversidade


[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Fique por dentro das novidades do fórum em [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.].
Já pensou em ter seu próprio espaço aqui? Então crie teu [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]!
avatar
Daniela
Idealizadora
Idealizadora

Feminino Sagitário Galo
Primaveras Primaveras : 35
Mensagens Mensagens : 1099

http://cantinhodaeris.wordpress.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum