Fórum Sexualidade
Olá, Convidado, seja bem-vindo ao Fórum Sexualidade.

Aqui você terá espaço para falar sobre diversos temas da sexualidade humana sem tabus, podendo compartilhar e aprender com todos os outros membros.

Além disso, você encontrará diversas discussões e informações sobre os mais variados temas da atualidade.

Somente membros podem visualizar alguns assuntos, portanto, não perca tempo e cadastre-se, participe das discussões.

Este fórum é melhor visualizado no navegador Mozilla Firefox 3.6 com a resolução de tela 1024 x 600 ou superior.

Divulgue-nos também.
Atenciosamente,

Equipe do Fórum Sexualidade.

Conectar-se

Esqueci minha senha

Painel do Usuário
Convidado


PAINEL DE USUÁRIO




MENSAGENS PRIVADAS
Últimos assuntos
» Site que envolve arte e sexo
Qui 30 Jul 2015, 08:42 por strubloid

» Arte mais sexo
Qui 30 Jul 2015, 08:40 por strubloid

» Sou doente ou ele já não me quer?
Ter 14 Jul 2015, 09:22 por rqhb

» Mulheres mais velhas gostam mais de sexo do que as mais novas, diz estudo
Sex 24 Abr 2015, 20:08 por Elisa Margotte

» Seguro de mais a ejaculação e acabo não gozando!
Dom 22 Fev 2015, 03:45 por Magusto

» Pílula
Qui 05 Fev 2015, 19:21 por Sofia Matias

» Mostrar o corpo na webcam para ganhar um Dinheiro Extra
Qua 28 Jan 2015, 12:20 por PixudoTesudo

» Preocupação dupla...
Qui 27 Nov 2014, 15:57 por Victor13

» Daniel Denardi, ao seu dispor
Qui 02 Out 2014, 20:56 por dandenardi

Votação

O que pensa sobre aborto:

27% 27% [ 12 ]
11% 11% [ 5 ]
11% 11% [ 5 ]
50% 50% [ 22 ]

Total dos votos : 44

Novidades do Blog
Veja também
Formspring.me

OrkutTwitter

Cantinho da Éris
Visitas

PageRank
Donde vêm

Sida diminui entre jovens em África

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Sida diminui entre jovens em África

Mensagem por Daniela em Sex 23 Jul 2010, 11:31

O número de jovens com sida diminuiu de forma significativa em oito países da África Sub-sahariana, uma zona que concentra 71 por cento dos 33,4 milhões de pessoas afectadas pela doença, segundo relatório da ONU.
“Na Côte d’Ivoire, Etiópia, Quénia, Malawi, Namíbia, Tanzânia, Zâmbia e Zimbabw, foi registada uma forte diminuição no número de pessoas infectadas pela sida, o que foi acompanhado por mudanças positivas no comportamento sexual dos jovens”, assegura a Agência das Nações Unidas de Luta Contra a Sida (UNAIDS) em estudo divulgado.

O organismo da ONU, que publica relatórios sobre a situação da Sida no mundo de dois em dois anos, afirma que o Quénia registou uma descida de 60 por cento no número de infectados entre 2000 e 2005.

Na Etiópia, o número de mulheres jovens grávidas afectadas pela doença caiu 47 por cento em zonas urbanas, enquanto nas zonas rurais a diminuição foi de 29 por cento.

A UNAIDS afirma também que em países como os Camarões, a Etiópia ou o Malawi, a idade em que os jovens começam a ser sexualmente activos está a recuar, enquanto em outros países da região diminuiu o número de pessoas que têm vários parceiros ao mesmo tempo e aumentou o uso do preservativo.

No entanto, segundo disse à agência Efe o porta-voz da organização Médicos sem Fronteiras (MSF) e coordenador médico da ONG em Genebra, Nathan Ford, nem tudo são boas notícias, já que a sua organização “não notou” uma diminuição no número de infectados.

“Desde que uma pessoa se infecta com o HIV até que surja a doença da Sida podem passar dez anos. Portanto, embora a transmissão esteja agora a descer, vamos continuar a receber aqueles que se infectaram há 10 anos e continuam a precisar de tratamento”, explicou o porta-voz dos MSF. “Só notaremos a diminuição na incidência da Sida a médio prazo, mas até lá o número de pessoas que precisam de tratamento vai continuar a crescer e, por enquanto, continuaremos a trabalhar em situações em que a necessidade de tratamento é muito maior do que a disponibilidade de medicamentos antirretrovirais”, afirmou Ford.

Em Novembro passado, a MSF denunciou o congelamento de fundos internacionais dedicados à luta contra a Sida e Ford afirmou que a falta de dinheiro já começa a afectar a população.

“Levámos dez anos a tratar da Aids (Sida) e já sabemos o que funciona e o que não funciona, mas agora dizem-nos que não há dinheiro suficiente”, reclamou Ford, que afirmou que, “na actualidade, apenas cerca de 30 por cento ou 40 por cento das pessoas que precisam de tratamento estão a recebê-lo”.

Ford destacou que há governos da África Sub-sahariana que “rejeitam os novos tratamentos recomendados, que melhoram o diagnóstico, propiciam a distribuição de drogas menos tóxicas ou a antecipação do tratamento para que os doentes tenham mais possibilidades de sobreviver”.

Embora a UNAIDS destaque no seu relatório que o Governo da África do Sul aumentou o seu orçamento dedicado à luta contra a Sida em 30 por cento em 2010, até chegar a mil milhões de dólares, os MSF consideram que o país é um dos que rejeita algumas das novas técnicas de tratamento.
“O plano de tratamento da África do Sul para portadores do HIV é bom em alguns sentidos, mas não aposta em antecipar o tratamento com antirretrovirais, pois seria mais caro e isto também acontece em Moçambique e no Zimbabwe”, assinalou o porta-voz da MSF.

Ford criticou que “há países da África Sub-sahariana, como o Lesoto, que realizam grandes campanhas de publicidade para convencer as pessoas a fazerem testes para descobrir se estão infectadas com HIV ou não, mas depois não têm os meios para tratar os que descobrem que estão”.

“Direitos aqui e agora” é a exigência da Conferência Internacional Sida’2010, que começa termina sexta-feira em Viena, com a participação de 25 mil especialistas e que, além da prevenção e tratamento, tem como objectivo denunciar a discriminação e a criminalização dos grupos de maior risco.

Cientistas, políticos, religiosos, voluntários, artistas, membros da realeza e representantes de marcas de preservativos estão em Viena até ao dia 23 para chamar a atenção sobre uma doença que tirou 25 milhões de vidas e que em 2008 afectava mais de 33 milhões de pessoas, segundo a ONU.

A reunião de Viena pretende lembrar que, apesar de grandes avanços no tratamento e, em menor escala, na prevenção, ainda há muito a fazer.

Os números da Sida continuam a ser alarmantes. Só em 2008, 2,7 milhões de pessoas se infectaram com o Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV), 97 por cento deles em países pobres ou em desenvolvimento. E em todo o mundo, 11 milhões de doentes não têm acesso aos tratamentos antirretrovirais.

Mas se a conferência quer continuar a chamar a atenção para a parte médica, outro dos objectivos essenciais é exigir maiores direitos e protecção para os doentes e pessoas mais susceptíveis de contrair a doença.

“A Conferência destaca que a protecção dos direitos humanos é um requisito fundamental para uma resposta efectiva ao HIV”, salienta a declaração de objectivos da Conferência Sida’2010.
“Já é evidente que o estigma, a discriminação e a violação de direitos e políticas repressivas ou equivocadas para grupos de população mais afectados pelo HIV são grandes obstáculos para se dar uma resposta efectiva ao HIV", acrescenta a declaração.

De facto, um dos documentos de trabalho da conferência, a chamada Declaração de Viena, afirma que “a penalização dos consumidores de drogas ilícitas está a fomentar a epidemia de HIV com consequências sociais e de saúde extremamente negativas. É necessária uma clara e completa reorientação da política”.

A declaração, redigida por um comité de especialistas que conta com a Nobel de Medicina Françoise Barré-Sinoussi, denuncia que o actual enfoque repressivo na luta contra a toxicodependência não só fracassou, mas está a contribuir para a expansão do contágio. Os autores do documento chegam a pedir ao secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, que “aplique urgentemente medidas que assegurem que o sistema das Nações Unidas (...) fale com uma só voz no apoio à descriminalização dos consumidores de drogas”. “Muitos de nós, que trabalhamos em pesquisa e tratamento da Sida, enfrentamos todos os dias os efeitos devastadores das políticas mal informadas sobre drogas”, assegurou o médico argentino Julio Montaner, presidente da Conferência.

A Conferência Sida’2010 quer insistir especialmente na situação do Leste Europeu e da Ásia Central, onde a Sida está a avançar a um ritmo preocupante, devido sobretudo ao uso de drogas injectáveis e à sua excessiva criminalização.

A XVIII Conferência da Sida quer, assim, fazer avançar o debate que começou na última reunião deste tipo, no México, em 2008, e para isso conta com importantes políticos e estrelas da música e cinema.
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]


[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Fique por dentro das novidades do fórum em [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.].
Já pensou em ter seu próprio espaço aqui? Então crie teu [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]!
avatar
Daniela
Idealizadora
Idealizadora

Feminino Sagitário Galo
Primaveras Primaveras : 36
Mensagens Mensagens : 1099

http://cantinhodaeris.wordpress.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sida diminui entre jovens em África

Mensagem por sexyboy em Sex 23 Jul 2010, 13:08

Uma boa notícia! Significa que as lutas para conscientização de jovens têm surtido efeito.
avatar
sexyboy
Destaque
Destaque

Masculino Touro Búfalo
Primaveras Primaveras : 32
Mensagens Mensagens : 152

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum