Fórum Sexualidade
Olá, Convidado, seja bem-vindo ao Fórum Sexualidade.

Aqui você terá espaço para falar sobre diversos temas da sexualidade humana sem tabus, podendo compartilhar e aprender com todos os outros membros.

Além disso, você encontrará diversas discussões e informações sobre os mais variados temas da atualidade.

Somente membros podem visualizar alguns assuntos, portanto, não perca tempo e cadastre-se, participe das discussões.

Este fórum é melhor visualizado no navegador Mozilla Firefox 3.6 com a resolução de tela 1024 x 600 ou superior.

Divulgue-nos também.
Atenciosamente,

Equipe do Fórum Sexualidade.

Conectar-se

Esqueci minha senha

Painel do Usuário
Convidado


PAINEL DE USUÁRIO




MENSAGENS PRIVADAS
Últimos assuntos
» Site que envolve arte e sexo
Qui 30 Jul 2015, 08:42 por strubloid

» Arte mais sexo
Qui 30 Jul 2015, 08:40 por strubloid

» Sou doente ou ele já não me quer?
Ter 14 Jul 2015, 09:22 por rqhb

» Mulheres mais velhas gostam mais de sexo do que as mais novas, diz estudo
Sex 24 Abr 2015, 20:08 por Elisa Margotte

» Seguro de mais a ejaculação e acabo não gozando!
Dom 22 Fev 2015, 03:45 por Magusto

» Pílula
Qui 05 Fev 2015, 19:21 por Sofia Matias

» Mostrar o corpo na webcam para ganhar um Dinheiro Extra
Qua 28 Jan 2015, 12:20 por PixudoTesudo

» Preocupação dupla...
Qui 27 Nov 2014, 15:57 por Victor13

» Daniel Denardi, ao seu dispor
Qui 02 Out 2014, 20:56 por dandenardi

Votação

O que pensa sobre aborto:

27% 27% [ 12 ]
11% 11% [ 5 ]
11% 11% [ 5 ]
50% 50% [ 22 ]

Total dos votos : 44

Novidades do Blog
Veja também
Formspring.me

OrkutTwitter

Cantinho da Éris
Visitas

PageRank
Donde vêm

Anticoncepcionais de hoje combatem da TPM ao câncer

Ir em baixo

Anticoncepcionais de hoje combatem da TPM ao câncer

Mensagem por Novato em Seg 26 Jul 2010, 16:26

A pílula anticoncepcional completou 50 anos e, ao longo destas cinco décadas, deixou de ser uma dor de cabeça. Hoje, evitar a gravidez já não é o principal trunfo dessa cinquentona revolucionária. Ela, hoje, é indicada até para amenizar os sintomas da TPM, além de diminuir o fluxo menstrual e cólicas. Além disso, melhora o cabelo e a pele, e diminui o risco de osteoporose. Hoje, um anticoncepcional tem dose hormonal dez vezes menor do que há 50 anos. Essa redução drástica diminuiu o risco de efeitos colaterais e garantiu o posto de um dos medicamentos mais vendidos no País.

"Há 50 anos, não se sabia qual era a dose necessária de hormônios para se bloquear a ovulação e, por isso, a dose era maior do que a necessária. E esse excesso provocava uma série de efeitos colaterais como náuseas, dores de cabeça, trombose e outros problemas", lembra o ginecologista Rogério Bonassi, presidente da comissão de contracepção da Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo).

Bonassi lembra que, na época, muitas mulheres duvidavam da eficácia do anticoncepcional. Aos 75 anos, a dona de casa Cemolina Moraes lembra que demorou a usar a pílula porque não acreditava que o comprimido pudesse evitar a gravidez. "Só comecei a usar depois que tive meu sexto filho e uma vizinha garantiu que funcionava", lembra. Neusa Moreira, 71, usou o anticoncepcional e só teve dois filhos.

Só com prescrição médica
Gerente do Programa de Saúde da Mulher do Rio, Chrystina Barros afirma que devido às diversas combinações e dosagens, deve-se usar a pílula prescrita pelo médico. "O anticoncepcional indicado para uma mulher não é o melhor para a vizinha. Uma adolescente precisa de pílulas para regularizar o fluxo e uma mulher que amamenta precisa de outra que não deixa passar hormônio para o bebê, por exemplo."

Hoje, 72% das mulheres afirmam ouvir mais comentários positivos do que negativos em relação aos anticoncepcionais, diz pesquisa Ibope e da Febrasgo. O trabalho indica que a pílula pode melhorar a autoestima e até o sexo. "A certeza da não gravidez aumenta a libido. Algumas pílulas mantêm a testosterona equilibrada, o que é bom para o sexo", diz Gerson Lopes, presidente da Comissão de Sexologia da Febrasgo.

Do medo do câncer à prevenção do mal
O medo de que o produto novo, que prometia impedir a gravidez, provocasse câncer fez com que muitas mulheres evitassem e adiassem o uso do anticoncepcional. Hoje, sabe-se que o uso contínuo do remédio reduz a incidência de câncer de ovário e endométrio, segundo o Instituto Nacional de Câncer.

"Toda vez que a mulher ovula, ela tem uma pequena ruptura no ovário e isso, após muitos anos, pode aumentar o risco de câncer. O anticoncepcional impede a ovulação e reduz o risco", afirma Luiz Mathias, chefe do serviço de ginecologia do Inca II.

Segundo o médico, estudos indicam que o índice de câncer de ovário entre freiras é maior do que na população geral porque elas não têm filhos nem usam anticoncepcionais.
Fonte: [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
avatar
Novato
Notificador
Notificador

Masculino Libra Cabra
Primaveras Primaveras : 26
Mensagens Mensagens : 229

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum